Praça do Município
Este é um espaço de discussão cívica, na prossecução dos maiores interesses do Concelho de Oliveira do Bairro. Todos os contributos são importantes e todas as "cores" são bem-vindas.
24
Fev 10

 

Logo na primeira reunião do actual Executivo, tive ocasião de referir que aquilo que me move no exercício do cargo para que fui eleito, é a defesa do concelho e das freguesias. E nessa oportunidade, felicitei o concelho pela entrada em funcionamento do Pólo Escolar de Oliveira do Bairro, esclarecendo que essa congratulação era ao concelho e não o órgão executivo, porque a concepção que detenho do exercício de poder autárquico é a da prestação de um serviço em benefício da causa pública da qual, nem autarcas nem partidos podem retirar qualquer proveito.

Com este gesto, mais não pretendi do que mostrar que, enquanto vereador da Oposição, assumiria uma postura activa e responsável e que, nessa circunstância, ofereceria o meu contributo, apresentando propostas e dispondo-me a servir a comunidade, em cooperação e lealdade institucional que desde logo pretendi profícua e vantajosa para o concelho.

E assim, quando, nessa primeira reunião foi apreciada e discutida a taxa de participação no IRS colectado no ano de 2010 aos sujeitos passivos com domicílio fiscal na área territorial concelhia, tive ocasião de reconhecer que as medidas de justiça fiscal não são da competência dos municípios, mas sim do Governo Central e que, no caso concreto, até porque se trata de uma verba que se aproxima do meio milhão de euros (no ano de 2009 o valor arrecadado foi de 433.524,00 €), essa justiça não podia ser feita à custa da redução da participação dos municípios nos recursos públicos a que constitucionalmente têm direito.

Apesar disso, não me abstive de referir que se essa taxa fosse inferior (por exemplo 4,5%), à máxima de 5% que está legalmente prevista, o município sempre daria um sinal de contribuição para a fixação de pessoas e investidores no seu território, invertendo o progressivo envelhecimento do concelho e, ao mesmo tempo, potenciando o aumento da receita a curto e médio prazo.

Porque a maioria não foi sensível a esta sugestão, subscrevi uma proposta que pugnava pelo reembolso integral, pelo Município, do valor pago pelo material didáctico/pedagógico e pelos livros e manuais escolares aos 5 melhores alunos de cada ano dos 2º e 3º ciclos dos estabelecimentos de ensino concelhios, devendo a imputação desta despesa ser feita à verba arrecadada pela participação do Município no IRS colectado aos sujeitos passivos com domicílio fiscal na área territorial concelhia.

Esta proposta viria, como Ponto 5, a ser integrada na Ordem do Dia da reunião de 5 de Novembro de 2009 e, depois de apreciada, discutida e votada, a dita proposta acabou por ser rejeitada tal como se infere da acta desta reunião que pode ser consultada aqui.

 

Jorge Mendonça

(Vereador não-executivo da Câmara Municipal de Oliveira do Bairro)

 

publicado por pracadomunicipio às 12:58
Fevereiro 2010
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
16
17
18
20
21
23
25
26
27
28
mais sobre nós
pesquisar neste blog
 
últ. comentários
A Câmara Municipal de Oliveira do Bairro viola con...
Não ponho em causa que os números possam ser exage...
Aconselhava a que colocassem etiquetas/tags. Com o...
O autor é muito melhor na análise política do que ...
Como diz o proverbio, cão que ladra não morde... E...
É um facto que também reparei neste aspecto mau da...
e porque não falas do sítio da Junta de Freguesia ...
Uma excelente oportunidade para todos
Visitantes online
online
Contador de visitas